FGV constata mais confiança na construção

Em setembro, pelo quarto mês consecutivo, evoluiu positivamente – de 76,1 pontos em agosto para 77,5 pontos – o Índice de Confiança da Construção (ICST) apurado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A marca registrada pelo ICST ainda está no campo negativo (a linha de corte é de 100 pontos), mas já voltou ao nível de abril de 2015 e revelou melhora disseminada da percepção das 702 empresas consultadas.

A coordenadora de Projetos de Construção da FGV/Ibre, Ana Maria Castelo, ressaltou outro fato: o ICST de setembro mostrou “a sexta alta consecutiva da confiança no segmento Preparação de Terreno, que antecede o início de obras, o que pode significar um cenário menos negativo para as empresas de construção neste segundo semestre”.

A evolução favorável do indicador se deu tanto na percepção do momento presente quanto das perspectivas de curto prazo. O Índice de Expectativas atingiu 89,2 pontos, com destaque para a demanda prevista para os três meses seguintes (ou seja, para o último trimestre de 2017), que avançou 3,9 pontos em relação a agosto e 10,1 pontos entre dezembro de 2016 e setembro de 2017.

Mas, se ainda está em nível insatisfatório o uso da capacidade instalada, de 65,6 pontos ou 6 pontos abaixo da média histórica, o indicador de uso de mão de obra revelou bom comportamento, sob influência dos subitens Obras de Infraestrutura para Energia Elétrica e para Telecomunicações e Obras de Arte Especiais (como pontes, viadutos e túneis).

No conjunto, os indicadores do setor de construção da FGV/Ibre mostram que a atividade ainda é fraca e que a recuperação tende a ser paulatina, dependendo de fatos novos.

Entre os fatos positivos está a baixa inflação medida pelo Índice Nacional de Custo de Construção (INCC) de setembro, com variação de 0,14%, inferior à de agosto (0,4%), indicando que estão controladas as pressões sobre o custo das obras. Em 12 meses, até setembro, o INCC subiu 4,13%, enquanto o subitem Materiais, Equipamentos e Serviços evoluiu 1,71%. Uma novidade negativa é a redução do porcentual financiável do preço dos imóveis usados pela Caixa Econômica Federal, maior agente do crédito imobiliário. Do ritmo de retomada da atividade dependerá a intensidade da reativação do mercado de imóveis.

Disponível em: www.ibrafi.org.br

Compartilhar

Outras postagens

reequilíbrio contratual

Contratos de Apoio à Produção da Caixa Econômica Federal e o Direito ao Reequilíbrio

A legislação, como se percebe, oferece algumas saídas em caso de eventos imprevisíveis que afetem as condições contratuais. Por um lado, é possível a resolução do contrato por onerosidade excessiva, mas se pode pleitear a modificação equitativa das cláusulas contratuais. O mercado imobiliário, após dois anos de severas dificuldades, dá sinais de que pode retomar seu crescimento. Por outro lado, a insegurança jurídica decorrente de situações que se alastram desde a pandemia é um repelente de potenciais clientes e investidores. A legislação brasileira oferece mecanismos suficientes para rever contratos firmados anteriormente e que tenham sido afetados pela alta dos insumos da construção civil. Por isso, a elaboração de uma estratégia jurídica sólida é fundamental para a manutenção dos investimentos e continuidade de empreendimentos.

Pacto Global da ONU

Barioni e Macedo e uma Nova Era Corporativa: O Compromisso Exemplar do Pacto Global da ONU

A decisão em aderir ao Pacto Global da ONU foi uma extensão natural do nosso compromisso de transformar positivamente a vida de pessoas e empresas, além de contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mais próspera e justa reconhecendo a importância da ética, da responsabilidade e da boa governança corporativa. Ao aderir ao Pacto Global, o escritório se compromete a promover os direitos humanos, o trabalho digno, a proteção ambiental e a transparência, valores fundamentais que estão alinhados com nossa missão de contribuir para o bem-estar social e o respeito aos direitos individuais e coletivos. Nossa missão e valores vão ao encontro com o Pacto Global da ONU, demonstrando que estamos alinhados com os padrões internacionais de sustentabilidade, responsabilidade social e corporativa. Todos da equipe Barioni e Macedo tem como objetivo a construção de um mundo mais justo, inclusivo e sustentável.

apoio à produção CEF

Empreendimentos com Apoio à Produção: Um impulso para o Setor Imobiliário

Os empreendimentos com apoio à produção são projetos imobiliários que recebem suporte financeiro da Caixa Econômica Federal para sua construção e desenvolvimento.

Segundo informações disponíveis no site da CEF, essa modalidade de financiamento destina-se a projetos de construção, ampliação, reforma ou aquisição de imóveis residenciais ou comerciais, em áreas urbanas ou rurais, com foco na geração de emprego e renda.

O “Apoio à Produção” consiste em uma linha de crédito exclusiva no mercado, disponível para empresas do ramo da construção civil e esta linha de crédito oferece duas modalidades distintas:
Sem Financiamento à Pessoa Jurídica (PJ): Destinada à produção de empreendimentos sem a necessidade de financiamento direto à pessoa (…)

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?