Sua Empresa realmente investe em Compliance ?

Ter um programa de compliance tornou-se fundamental para qualquer empresa. Quando efetivas, tais medidas fortalecem a cultura, alavancam os negócios e protegem a reputação das organizações. Um bom plano de compliance mantém a conduta ética da empresa, favorecendo um importante diferencial de mercado: o reconhecimento público.

Preocupadas em atender ao novo movimento do mercado e às demandas para os negócios, as organizações passaram a considerar o investimento em políticas de compliance. As empresas começaram a voltar seus esforços para implementação de treinamentos, tecnologias e outros sistemas capazes de evitar a violação das leis, regulamentações e políticas.

Mas será que as companhias sabem de fato quais medidas devem ser tomadas nesse sentido? De acordo com um estudo da Deloitte e a Compliance Week, 70% das empresas sequer tentaram medir a eficácia de seus programas de compliance. E, entre as que mensuraram, só um terço confia nas métricas que foram adotadas.

Para evitar condutas desalinhadas ao compliance, tanto internas como de parceiros comerciais, as empresas devem desenvolver métricas para acompanhar a aplicação das normas. Aos líderes, cabe refletir e avaliar como os seus colaboradores são orientados para os programas de compliance. Essas medidas servem apenas para blindar a empresa de cenários negativos?

Os funcionários realmente têm conhecimento das políticas de compliance da empresa? E se têm, as colocam em prática? Para resumir, é preciso descobrir se o compliance é tratado como um tema objetivo e voltado para resultados ou ele é apenas mais um quesito que precisa ser cumprido?

Criar indicadores capazes de auxiliar na definição de modelos que atendem de forma personalizada à necessidade da sua empresa é fundamental para garantir que o programa de compliance não seja redundante e ineficaz. Índices nessa linha podem ser criados a partir de informações da sua companhia como, por exemplo, o tamanho do seu negócio, o número de colaboradores, o segmento atendido ou levando em consideração os riscos inerentes.

A partir dessas métricas é possível definir quais critérios devem ser adotados por cada área dentro da organização. No setor de suprimentos, por exemplo, é fundamental seguir medidas que garantam a segurança e autenticidade da escolha de um fornecedor. Eleger o parceiro com atenção e cuidado é importante, pois eles também refletem a cultura, os valores a missão e o propósito da sua organização.

Também é importante centralizar processos como o gerenciamento de performance de parceiros, dados de erros de pedidos, administração de verbas, notas fiscais e informações sobre auditorias. Essa centralização permite assegurar tanto o cumprimento de obrigações como o pagamento de impostos, evitando assim implicações legais.

Ao utilizar a tecnologia a favor de seu negócio, a equipe de compras pode se dedicar às atividades estratégicas, deixando que o sistema cuide dos processos operacionais que podem ser automatizados. Iniciativas nesse sentido, geram valor para a organização e ajudam no cumprimento das normas legais e regulamentares.

Incorporar a tecnologia é mais necessário do que nunca nos dias de hoje. Entretanto, não basta se preocupar apenas com a implementação. É importante acompanhar com proximidade todo o processo para conseguir mensura-lo. Apenas assim é possível garantir o real cumprimento das regras de compliance.

 

 

disponível em :ecommercenews.com.br/

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?