Sistema Otimizado de Relatórios e Gerenciamento de Informações para Escritórios de Advocacia

sistema e relatórios

A utilização de sistemas automatizados e otimizados de relatórios e gerenciamento de informações, principalmente voltados aos escritórios de advocacia, podem ser utilizados como uma forma rápida e inteligente de analisar a forma de tratamento dos dados.

Ao ler o artigo a seguir, será possível entender o que é o gerenciamento de informações, a forma de utilização através de Relatórios Gerenciais e Comerciais, bem como os benefícios que estas atividades trazem ao escritório e ao cliente.

O Que é um Sistema de Gerenciamento de Informações?

Para empresas e escritórios que visam a organização interna de seus departamentos e das informações tratadas por estes departamentos, a Gestão da Informação é parte imprescindível para tornar este processo viável, já que preserva o histórico, garante agilidade na tomada de decisões e aumenta a eficiência do controle interno.

Para isso, saber como colocar em prática o Gerenciamento da Informação é fundamental para basear as decisões sempre de maneira segura e eficiente.

Deste modo, através de processos de pesquisa, classificação, padronização e armazenagem correta das informações e dados, é possível não apenas captar, como também organizar de forma funcional as informações essenciais na elaboração e/ou adequação do planejamento estratégico e do alcance de metas. [1]

Métodos Estratégicos de Gerenciamento de Informações

O controle de todo esse fluxo de informações e documentos requer a adoção de métodos estratégicos de gerenciamento de documento, de forma a otimizar tempo e recursos do gestor ou da equipe responsável, os quais podemos listar nas seguintes etapas:

  • Identificação: A correta e fácil identificação de documentos e informações aperfeiçoa e facilita a organização e a busca pelo arquivo e/ou informação.
  • Classificação: Agrupar informações de documentos de acordo com suas características ou finalidades, a fim de otimizar o tempo despendido no encontro dos dados necessários.
  • Armazenamento: Essa é uma parte muito importante do processo de gerenciamento, pois trata-se do processo de separação dos documentos de acordo com critérios definidos pela própria empresa ou escritório, como por exemplo: departamento, responsável, tipo da informação, se a informação é interna ou externa, entre outros.
  • Distribuição: Por fim, a informações e documentos são compartilhados, no todo ou em parte, com os destinatários adequados, de acordo com suas necessidades, responsabilidades e atribuições.

O Gerenciamento de Informações Através de Relatórios

Para padronizar o controle interno e manter em dia e em harmonia as rotinas internas, é necessário investir em ferramentas que automatizem o gerenciamento das informações, de maneira que otimizem e facilitem sua realização.

Deste modo, a geração de relatórios através de softwares de gestão jurídica, por exemplo, é mais um modo de integrar e aperfeiçoar a Gestão de Informações de processos judiciais, extrajudiciais e administrativos de forma categórica e eficiente.

Através destes relatórios, que podem contemplar agendas, petições, andamento processual, contratos, finanças, cadastro e captação de clientes, além de outros, é possível que se obtenha maior controle sobre as informações que estão sendo tratadas, bem como acessibilidade e agilidade no acesso aos resultados, sejam eles positivos ou negativos. Estes relatórios com informações internas são conhecidos como Relatórios Gerenciais, e são capazes de indicar as maiores fragilidades e as maiores consistências do escritório com assertividade, apontando pontos relevantes a serem melhorados ou modificados, servindo como verdadeiros indicadores desempenho.

O Que Define um Bom Relatório Gerencial

Para um melhor fluxo na coleta e tratamento dos dados que serão parte destes Relatórios Gerenciais, é ideal:

  1. Definir os dados que serão coletados e tratados;
  2. Definir o responsável (departamento ou pessoa) por coletar e alimentar os dados, para melhor controle e gestão da atividade;
  3. Definir a periodicidade na atualização dos dados e informações, para que não fiquem ultrapassadas ou desatualizadas;
  4. Definir a forma de preenchimento dos dados, para que as informações fiquem claras, objetivas e padronizadas.

No tocante ao item 2 acima, importa ressaltar que, dentro dos escritórios de advocacia, é na pessoa do Controller ou no departamento da Controladoria Jurídica que recai a responsabilidade pela coleta e alimentação destes dados, já que estes são os responsáveis, entre outras coisas, por estipular critérios de padronização e parametrização de procedimentos e fazer a correta gestão de dados. [2]

Características de um Relatório Gerencial Ineficiente

Em contrapartida, os relatórios não serão considerados consistentes ou eficientes se:

– A coleta de dados não acontecer na periodicidade definida/necessária;

– Não houver padrão na forma do preenchimento dos dados;

– Houver duplicidade de informações;

– Houver dados incorretos.

Os Benefícios dos Relatórios Gerenciais Para o Escritório

Gestão do dia-a-dia: facilitando um monitoramento consistente dos indicadores apontados, para que seja possível observar exatamente onde se encontram os problemas, tornando as ações de ajuste mais suscetíveis ao sucesso;

Acompanhamento de Projetos Estratégicos: que merecem uma atenção mais detalhada, já que geralmente envolvem riscos e/ou investimentos maiores que o comum. É importante definir, nestes Projetos, os indicadores-chave de desempenho, para que seja possível avaliar sua assertividade;

Gestão de Contratos: sendo possível mensurar e demonstrar a dedicação e comprometimento da equipe às causas de seus clientes, registrando as atividades realizadas, bem como o histórico de trâmite processual, apresentando informações consistentes a serem apresentadas aos clientes durante e após o término do processo;

Prestação de Contas: referentes aos acontecimentos internos do escritório, que poder ser referente a atividades, projetos, metas ou processos específicos, como também sobre as finanças. Desta forma as equipes podem ter uma visão ampla das ações e medidas que estão sendo tomadas e, com isso, tendem a responder com maior engajamento na execução de suas atividades. [3]

Os Relatórios Comerciais e Seus Reflexos na Prestação de Informação aos Clientes

Além disso, os relatórios são ferramentas estratégicas que podem facilitar (e muito!) o contato e a melhor prestação de serviços aos clientes. Estes, que são chamados de Relatórios Comerciais, tem o intuito de coletar, tratar e repassar importantes informações do escritório referente ao andamento processual, de acordo com o interesse de cada cliente final.

Assim, ao invés se funcionar de forma padronizada e igual para todos, estes relatórios possuem o objetivo de serem exclusivos e personalizados, tornando-se um diferencial na prestação de serviços e informações, além de demonstrar atenção e zelo tanto no acompanhamento processual, quanto no atendimento ao cliente.

Em suma, como consequência na prestação dos Relatórios Comerciais, é possível observar:

– Melhora no relacionamento Escritório x Cliente;

– Emissão de relatórios personalizados de acordo com a informação que cada cliente deseja saber;

– Diferencial nos serviços prestados, demonstrando atenção e comprometimento no acompanhamento dos processos e atendimento ao cliente.

Padronização de Informações

Para que os Relatórios, tanto os Gerenciais como os Comerciais, e a Gestão da Informação se tornem processos que fluem com naturalidade no escritório, é importante que haja a padronização das informações, isto é, que os dados sejam cadastrados de maneira uniforme dentro do sistema utilizado.

Uma ótima saída para iniciar a padronização de dados e informações que componham os Relatórios, é dividi-las por áreas (judicial, extrajudicial, financeiro, administrativo e afins).

Também é possível padronizar as informações por clientes (pessoas físicas e pessoas jurídicas), contratos (valor, espécie, área) e até mesmo pelo responsável por aquele processo/demanda.

O Hábito de Avaliar e Corrigir

Para uma rotina interna eficiente no tocante ao Gerenciamento de Informações e geração de relatórios, é de suma importância que o escritório e seus colaboradores tenham uma cultura interna de avaliar as informações, interpretá-las, e modifica-las na medida em que for necessário.

Avaliar periodicamente o desempenho das atividades e seus resultados é que vai direcionar a um futuro com muito mais assertividade. Para isso, é necessário:

  • Definir indicadores precisos para avaliação;
  • Implantar um sistema de avaliação e correção;
  • Rever as metas periodicamente;
  • Fazer a análise dos relatórios, buscando o aprimoramento das atividades.

Conclusão

Em suma, ter um sistema de gerenciamento interno de informações através de relatórios com informações consistentes e padronizadas, além de otimizar e facilitar as atividades do dia-a-dia, também torna possível a análise do que está sendo feito e como está sendo feito, das ações que vêm sendo tomadas, bem como indica de forma clara os pontos a serem aprimorados ou modificados.

Com isso, é possível a visualização das informações de forma objetiva e eficiente, proporcionando resultados positivos tanto para o escritório quanto para o cliente.

“Um dos objetivos da prática administrativa da gestão por processos é assegurar a melhoria contínua do desempenho da organização, por meio da elevação dos níveis de qualidade de seus processos de negócios”José Osvaldo de Sordi

Ficou com alguma dúvida? Consulte nossa equipe (clique em ‘fale conosco‘ ou converse conosco via Whatsapp).

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.

AUTORA

GABRIELA VIEIRA SERRANO, Advogada (OAB/PR sob o nº 116.711) graduada em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Referências

[1] Introdução: O Que é Gerenciamento da Informação? Disponível em: <https://blog.netscandigital.com/artigos/gerenciamento-da-informacao/> Acesso em 02 de maio de 2023.

[2] Controladoria Jurídica: Aspectos Gerais. Disponível em: <https://barioniemacedo.adv.br/controladoria-juridica-aspectos-gerais/> Acesso em 02 de maio de 2023.

[3] Relatórios gerenciais na gestão de escritório de advocacia. Disponível em <https://www.projuris.com.br/blog/relatorios-gerenciais-escritorio-de-advocacia/> Acesso em 02 de maio de 2023.

 

Compartilhar

Outras postagens

embargos de declaração

Embargos de declaração e sua amplitude do efeito interruptivo para pagamento espontâneo ou impugnação

O recurso de  embargos de declaração é uma ferramenta essencial no processo civil brasileiro, destinada a esclarecer pontos omissos, contraditórios ou obscuros de uma decisão judicial.

No entanto, a extensão dos efeitos desse recurso, especialmente quanto ao seu efeito interruptivo, é um tema que suscita debates entre os operadores do direito.

Este artigo explora o papel dos embargos de declaração, com ênfase na sua capacidade de interromper prazos processuais exclusivamente para a interposição de recursos, sem se estender a outros meios de defesa, como a impugnação ao cumprimento de sentença, ou ao cumprimento espontâneo da obrigação de pagamento.

tokenização

Tokenização e o Mercado Imobiliário

Tokenização, uma prática inovadora e em ascensão no campo tecnológico, tem sido cada vez mais reconhecida por suas promessas de revolucionar diversos setores, com destaque especial para o mercado imobiliário. Nesse cenário, o presente artigo se propõe a aprofundar e elucidar os diversos aspectos que envolvem a tokenização. Além de definir e contextualizar o conceito em questão, serão destacadas suas aplicações práticas e os impactos que vem gerando no mercado imobiliário. Ao mesmo tempo, serão minuciosamente examinadas as vantagens e desafios inerentes a essa inovação disruptiva.
Os debates no Brasil tomam destaque a partir de provimento publicado pela corregedoria do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) sobre o registro de tokens representativos de propriedade imobiliária nos cartórios de registro de imóveis daquela região. A controvérsia, abordada no provimento do Tribunal, surgiu quando diversos cartórios no Rio Grande do Sul receberam solicitações para lavrar e registrar (…)

valuation

Liquidação de Quotas Sociais de Sociedades Empresárias: Critérios para a Adequada e Justa Valoração da Empresa (“valuation”).

Este artigo abordará os aspectos jurídicos, práticos e de “valuation” para a liquidação de quotas sociais em sociedades empresárias no Brasil, com base, principalmente, na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e nos critérios práticos recomendados para a valoração das empresas.

A liquidação de quotas sociais em sociedades empresárias é um processo complexo que envolve aspectos jurídicos, contábeis, financeiros, operacionais, entre outros critérios técnicos para o devido “valuation”.
Este artigo buscará aprofundar o entendimento sobre o tema, considerando, sobretudo, os parâmetros básicos a partir da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e os métodos específicos de levantamento do valor real de mercado das empresas.

reequilíbrio contratual

Contratos de Apoio à Produção da Caixa Econômica Federal e o Direito ao Reequilíbrio

A legislação, como se percebe, oferece algumas saídas em caso de eventos imprevisíveis que afetem as condições contratuais. Por um lado, é possível a resolução do contrato por onerosidade excessiva, mas se pode pleitear a modificação equitativa das cláusulas contratuais. O mercado imobiliário, após dois anos de severas dificuldades, dá sinais de que pode retomar seu crescimento. Por outro lado, a insegurança jurídica decorrente de situações que se alastram desde a pandemia é um repelente de potenciais clientes e investidores. A legislação brasileira oferece mecanismos suficientes para rever contratos firmados anteriormente e que tenham sido afetados pela alta dos insumos da construção civil. Por isso, a elaboração de uma estratégia jurídica sólida é fundamental para a manutenção dos investimentos e continuidade de empreendimentos.

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?