A Importância do Estágio Para a Formação Acadêmica e Pessoal do Estudante

É celebrado no dia 18 de agosto, o Dia Nacional do Estagiário. Tal data marca a publicação do primeiro decreto que regulamentou o estágio. São garantidos, desde 1982, uma série de direitos aos estudantes que se submeterem ao referido contrato.

O que é o estágio

O estágio é uma modalidade de trabalho que tem como principal objetivo a aprendizagem relacionada a sua área de formação, dando aos estudantes a oportunidade de aprender na prática e, em troca, utilizar seu conhecimento para realizar tarefas simples e auxiliar em sua empresa.

Deveres e Direitos 

Em uma relação de estagiário e empregador, é necessário o cumprimento de certas obrigações por parte do contratante, como por exemplo: a) Dispor de um ambiente adequado para a aprendizagem, bem como, de um orientador para auxiliá-lo; b) Possuir um vinculo com a instituição de ensino que irá além do contrato de estágio. Sendo necessário, também, o envio periódico de relatórios apontando as atividades exercidas pelo estudante; c) Pagar ao estudante, salvo em casos de estágio obrigatório, uma bolsa-auxílio. Bem como, vale transporte; d) Contratar um seguro de vida; e e) Manter o contrato com um estagiário por, no máximo, 2 anos.

Já o estagiário, deve estar star matriculado e frequentar uma instituição de ensino, além de possuir, no mínimo, 16 anos.

Por fim, após a contratação, o estagiário deverá cumprir os horários acordados previamente, justificar em caso de faltas e, é claro, comparecer às aulas na instituição de ensino vinculada.

Como direitos do empregador, podemos elencar os custos reduzidos, a flexibilidade e pró-atividade do estagiário e a possibilidade de capacitação de um futuro profissional.

O estudante, por sua vez, poderá gozar dos direitos de carga horária reduzida à metade em época de provas, ter uma mentoria e orientação profissional, bem como 30 dias de férias remuneradas a cada 12 meses trabalhados;

Lei do Estágio

A Lei nº. 11.788/2008, regulamenta as atividades prestadas pelos estagiários, estabelece obrigações para as instituições de ensino e para a parte concedente. É importante ressaltar alguns direitos previstos na legislação.

Primeiramente, o limite de jornada que um estagiário pode cumprir é muito reduzido daquele previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A carga horária se restringe 4 horas diárias e 20 horas semanais, para estudantes de ensino fundamental e 6 horas diárias e 30 horas semanais para estudantes de nível médio, técnico e superior.

A remuneração será devida, entretanto não é igualada um salário de um trabalhador comum. Não há um piso salarial fixo, portanto o empregador estabelecerá o valor. Fica a critério deste a concessão de outros benefícios.

Por fim, as atividades devem ser compatíveis com a jornada estabelecida e a remuneração. Caso a empresa não cumpra com as cláusulas estabelecidas, poderá ser processada perante a Justiça do Trabalho.

A importância do estágio para a formação acadêmica e pessoal do profissional

É fato notório que a experiência prática durante um curso de graduação faz-se imprescindível.

A teoria é, sim, de suma importância para a aprendizagem e não pode ser descartada em hipótese alguma.

Entretanto, a pratica dará a qualquer estudante um diferencial, pois é com ela que os jovens terão a oportunidade de entender como funciona e aprender a lidar com as eventuais adversidades do cotidiano de sua futura profissão.

E, para atender a essa necessidade, recorre-se ao estágio.

Conforme já exposto, esta modalidade de trabalho surge em 1982, especificamente em 18 de agosto, dia da publicação do primeiro decreto que regulamentou o estágio e que, posteriormente, marcou a referida data como o Dia Nacional do Estagiário.

Mas, afinal, quais são as dimensões contempladas pelo estágio? Para responder essa questão, consoante acima exposto, destaca-se, principalmente: a aprendizagem aprofundada, o desenvolvimento pessoal do estudante e a inserção do futuro profissional no mercado de trabalho.

Tais aspectos proporcionam ao universitário o aprimoramento de seus conhecimentos e competências, bem como oportunizam uma ligação direta do mundo acadêmico com o mundo empresarial, criando assim, condições efetivas de crescimento e desenvolvimento.

Entretanto, a diferença que tal experiência faz na vida do estudante vai muito além do período em que, de fato, permaneceu estagiando.

O conhecimento ali adquirido é algo que ele levará para a vida.

O trabalho, o ambiente e os colegas são fatores que influenciarão diretamente no futuro do estagiário. Sendo estes últimos, capazes de motivá-lo a melhorar e se superar a cada dia e, ainda, de sempre buscar aprender coisas novas, não só porque precisa, mas porque gosta.

Da mesma forma, os empregadores e colegas mais experientes podem auxiliar o estagiário a notar que a profissão intentada pode não ser aquela que efetivamente deseja como futuro.

Independente do rumo dessa experiência, o fato é que o estágio auxilia, também, no processo de autoconhecimento do estudante e o ajuda a entender o que o futuro lhe reserva, evitando surpresas desagradáveis em momento ulterior.

Conclusão

Ante o exposto, resta nítida a grande contribuição do estágio para a formação da identidade profissional e pessoal dos jovens, pois participa de um momento decisivo no desenvolvimento da vida do futuro profissional.

Assim, o estágio prepara não apenas profissionais competentes e qualificados, como também pessoas melhores e mais responsáveis.

Ficou com alguma dúvida? Consulte um advogado (clique em ‘fale conosco‘ ou converse conosco via Whatsapp).

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.

AUTORES

Isabela Friesen Silva. Acadêmica de Direito da Unicuritiba. Ex-estagiária no Barioni & Macedo Advogados.

Julia Biscorovaine Munhoz. Acadêmica de Direito da PUC/PR. Estagiária no Barioni & Macedo Advogados.

Luiza Carvalho de Oliveira. Acadêmica de Direito da UFPR. Estagiária no Barioni & Macedo Advogados.

Compartilhar

Outras postagens

embargos de declaração

Embargos de declaração e sua amplitude do efeito interruptivo para pagamento espontâneo ou impugnação

O recurso de  embargos de declaração é uma ferramenta essencial no processo civil brasileiro, destinada a esclarecer pontos omissos, contraditórios ou obscuros de uma decisão judicial.

No entanto, a extensão dos efeitos desse recurso, especialmente quanto ao seu efeito interruptivo, é um tema que suscita debates entre os operadores do direito.

Este artigo explora o papel dos embargos de declaração, com ênfase na sua capacidade de interromper prazos processuais exclusivamente para a interposição de recursos, sem se estender a outros meios de defesa, como a impugnação ao cumprimento de sentença, ou ao cumprimento espontâneo da obrigação de pagamento.

tokenização

Tokenização e o Mercado Imobiliário

Tokenização, uma prática inovadora e em ascensão no campo tecnológico, tem sido cada vez mais reconhecida por suas promessas de revolucionar diversos setores, com destaque especial para o mercado imobiliário. Nesse cenário, o presente artigo se propõe a aprofundar e elucidar os diversos aspectos que envolvem a tokenização. Além de definir e contextualizar o conceito em questão, serão destacadas suas aplicações práticas e os impactos que vem gerando no mercado imobiliário. Ao mesmo tempo, serão minuciosamente examinadas as vantagens e desafios inerentes a essa inovação disruptiva.
Os debates no Brasil tomam destaque a partir de provimento publicado pela corregedoria do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS) sobre o registro de tokens representativos de propriedade imobiliária nos cartórios de registro de imóveis daquela região. A controvérsia, abordada no provimento do Tribunal, surgiu quando diversos cartórios no Rio Grande do Sul receberam solicitações para lavrar e registrar (…)

valuation

Liquidação de Quotas Sociais de Sociedades Empresárias: Critérios para a Adequada e Justa Valoração da Empresa (“valuation”).

Este artigo abordará os aspectos jurídicos, práticos e de “valuation” para a liquidação de quotas sociais em sociedades empresárias no Brasil, com base, principalmente, na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e nos critérios práticos recomendados para a valoração das empresas.

A liquidação de quotas sociais em sociedades empresárias é um processo complexo que envolve aspectos jurídicos, contábeis, financeiros, operacionais, entre outros critérios técnicos para o devido “valuation”.
Este artigo buscará aprofundar o entendimento sobre o tema, considerando, sobretudo, os parâmetros básicos a partir da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e os métodos específicos de levantamento do valor real de mercado das empresas.

reequilíbrio contratual

Contratos de Apoio à Produção da Caixa Econômica Federal e o Direito ao Reequilíbrio

A legislação, como se percebe, oferece algumas saídas em caso de eventos imprevisíveis que afetem as condições contratuais. Por um lado, é possível a resolução do contrato por onerosidade excessiva, mas se pode pleitear a modificação equitativa das cláusulas contratuais. O mercado imobiliário, após dois anos de severas dificuldades, dá sinais de que pode retomar seu crescimento. Por outro lado, a insegurança jurídica decorrente de situações que se alastram desde a pandemia é um repelente de potenciais clientes e investidores. A legislação brasileira oferece mecanismos suficientes para rever contratos firmados anteriormente e que tenham sido afetados pela alta dos insumos da construção civil. Por isso, a elaboração de uma estratégia jurídica sólida é fundamental para a manutenção dos investimentos e continuidade de empreendimentos.

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?