Responsabilidade Civil das Incorporadoras por Atraso na entrega de Obra: Desdobramentos Jurídicos e Tipos de Indenizações Cabíveis

Atraso na entrega de obra

Este artigo analisa a responsabilidade das incorporadoras imobiliárias em casos de atraso na entrega de obras, considerando os aspectos jurídicos pertinentes e as indenizações aplicáveis aos compradores prejudicados.

A partir de uma revisão da legislação vigente, jurisprudência e doutrina, serão abordados os fundamentos legais que embasam a responsabilidade das incorporadoras nesses casos, assim como os direitos dos consumidores afetados.

Além disso, serão abordadas as indenizações cabíveis, incluindo os lucros cessantes, supressão da valorização imobiliária (danos emergentes) e danos morais.

 

Introdução

 

O mercado imobiliário enfrenta desafios significativos quando se trata do cumprimento dos prazos de entrega das obras.

O presente artigo se propõe a examinar a responsabilidade das incorporadoras diante de atrasos na entrega de empreendimentos imobiliários, principalmente para aqueles que adquirem unidades mediante transação popularmente conhecida como “compra de imóvel na planta”, bem como as consequentes indenizações devidas aos compradores prejudicados.

Considerando a relevância do tema para a proteção dos direitos dos consumidores e investidores e a segurança jurídica no setor imobiliário, esta análise se apresenta oportuna e necessária.

 

Responsabilidade das Incorporadoras pelo Atraso na Entrega de Obra

 

A responsabilidade das incorporadoras por atrasos na entrega das obras é um tema complexo, envolvendo inúmeros aspectos de cunho prático, bem como de origem legal, doutrinária e jurisprudencial.

Conforme a legislação atualmente vigente e o entendimento jurisprudencial majoritário, problemas burocráticos e administrativos, bem como eventuais embargos de obra, são considerados fortuitos internos, não configurando caso fortuito ou força maior passível de prorrogação do prazo que a construtora detém para entregar o empreendimento imobiliário e as respectivas unidades autônomas aos compradores.

Assim, as consequências pelo atraso da obra recaem sobre a incorporadora/construtora, que deve ser responsabilizada mesmo em casos de paralisação de obra em decorrência de Ações Civis Públicas (tipo de ação judicial promovida pelo Ministério Público quando há interesse coletivo) por falta ou inconsistência de licença ambiental, por exemplo, entre outras hipóteses.

 

 

  • Lucros Cessantes

Os lucros cessantes são uma forma de indenização devida aos compradores prejudicados pelo atraso na entrega das obras, consistindo na compensação pelos prejuízos decorrentes da privação do uso do bem por determinado período.

A jurisprudência, amparada nos comandos do Código Civil brasileiro e Código de Defesa do Consumidor, reconhece a presunção do prejuízo dos compradores nestes casos, permitindo o pagamento de indenização na forma de aluguel mensal pelo tempo da privação do imóvel ao comprador, sendo esta, inclusive, a intepretação amplamente difundida nos julgados do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que, na maioria dos casos, fixa, em favor do consumidor ou investidor, a título de danos materiais (lucros cessantes), 0,5% do valor de mercado (valor de venda se o imóvel pronto estivesse) por mês de atraso, até que o imóvel seja efetivamente entregue ao comprador.

  • Valorização Imobiliária

Além dos lucros cessantes, é relevante considerar a valorização imobiliária (ou a perda dela) como um aspecto indenizável, somando-se aos demais tipos indenizatórios.

A valorização dos imóveis ao longo do tempo deve ser levada em conta, representando a diferença entre o valor contratual (preço pago pelo comprador) e o valor de mercado que o imóvel teria se pronto estivesse (sem atraso).

Esta modalidade de indenização por dano patrimonial se baseia na teoria da “perda de uma chance”, reconhecendo a oportunidade perdida do comprador de obter um benefício financeiro com a valorização dos imóveis e a possibilidade de vende-lo a outro depois de pronto, no prazo combinado originalmente com a construtora, como se o atraso não tivesse existido, e a incorporadora/construtora deverá indeniza-lo por esta diferença e pela perda da chance de lucrar com a venda.

  •  Danos Morais

Os danos morais também devem ser considerados, de forma cumulativa às modalidades indenizatórias anteriormente citadas, uma vez que o atraso na entrega das obras causa prejuízos além dos aspectos financeiros, afetando a dignidade e o bem-estar dos compradores, frustrando suas expectativas e planos pessoais inerentes à aquisição do bem imóvel.

Neste tocante, a jurisprudência pátria é uníssona no sentido de reconhecer o direito à indenização por danos morais em casos de atraso significativo na entrega dos imóveis, considerando o longo período de espera e a quebra de expectativas dos adquirentes, consumidores ou investidores.

 

 

A responsabilidade das incorporadoras/construtoras em decorrência de atrasos na entrega das obras, segundo a legislação brasileira e a interpretação dada pelos tribunais Brasil afora, é certa e manifesta, assim como a necessidade de fixação das indenizações adequadas aos compradores prejudicados.

As indenizações por lucros cessantes (alugueis correspondentes ao período de atraso da obra) e danos emergentes (perda da valorização imobiliária com possível revenda do imóvel a terceiro) – tipos de dano material (ou “dano patrimonial”) – da mesma forma que os danos morais (ou “danos extrapatrimoniais”), representam medidas essenciais para garantir a proteção dos direitos dos compradores lesados e a justiça nas relações contratuais do mercado imobiliário.

Desta feita, é fundamental que o Poder Judiciário e os órgãos reguladores atuem de forma eficaz para assegurar o cumprimento das obrigações por parte das incorporadoras e a reparação financeira adequada aos compradores (consumidores, investidores e afins) quando forem estes efetivamente prejudicados em decorrência do atraso do empreendimento imobiliário e respectivas unidades autônomas (apartamentos ou casas).

Ficou com alguma dúvida? Consulte nossa equipe (clique em ‘fale conosco‘ ou converse conosco via WhatsApp).

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.

Autor

Antonio Macedo Neto (OAB/PR 55.082). Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba (2009). Pós-graduado em Direito Processual Civil pela PUC-PR (2011). Profissional atuante há mais de 15 anos, especialmente nas áreas de Direito Imobiliário e Societário.

 

 

Compartilhar

Outras postagens

reequilíbrio contratual

Contratos de Apoio à Produção da Caixa Econômica Federal e o Direito ao Reequilíbrio

A legislação, como se percebe, oferece algumas saídas em caso de eventos imprevisíveis que afetem as condições contratuais. Por um lado, é possível a resolução do contrato por onerosidade excessiva, mas se pode pleitear a modificação equitativa das cláusulas contratuais. O mercado imobiliário, após dois anos de severas dificuldades, dá sinais de que pode retomar seu crescimento. Por outro lado, a insegurança jurídica decorrente de situações que se alastram desde a pandemia é um repelente de potenciais clientes e investidores. A legislação brasileira oferece mecanismos suficientes para rever contratos firmados anteriormente e que tenham sido afetados pela alta dos insumos da construção civil. Por isso, a elaboração de uma estratégia jurídica sólida é fundamental para a manutenção dos investimentos e continuidade de empreendimentos.

Pacto Global da ONU

Barioni e Macedo e uma Nova Era Corporativa: O Compromisso Exemplar do Pacto Global da ONU

A decisão em aderir ao Pacto Global da ONU foi uma extensão natural do nosso compromisso de transformar positivamente a vida de pessoas e empresas, além de contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mais próspera e justa reconhecendo a importância da ética, da responsabilidade e da boa governança corporativa. Ao aderir ao Pacto Global, o escritório se compromete a promover os direitos humanos, o trabalho digno, a proteção ambiental e a transparência, valores fundamentais que estão alinhados com nossa missão de contribuir para o bem-estar social e o respeito aos direitos individuais e coletivos. Nossa missão e valores vão ao encontro com o Pacto Global da ONU, demonstrando que estamos alinhados com os padrões internacionais de sustentabilidade, responsabilidade social e corporativa. Todos da equipe Barioni e Macedo tem como objetivo a construção de um mundo mais justo, inclusivo e sustentável.

apoio à produção CEF

Empreendimentos com Apoio à Produção: Um impulso para o Setor Imobiliário

Os empreendimentos com apoio à produção são projetos imobiliários que recebem suporte financeiro da Caixa Econômica Federal para sua construção e desenvolvimento.

Segundo informações disponíveis no site da CEF, essa modalidade de financiamento destina-se a projetos de construção, ampliação, reforma ou aquisição de imóveis residenciais ou comerciais, em áreas urbanas ou rurais, com foco na geração de emprego e renda.

O “Apoio à Produção” consiste em uma linha de crédito exclusiva no mercado, disponível para empresas do ramo da construção civil e esta linha de crédito oferece duas modalidades distintas:
Sem Financiamento à Pessoa Jurídica (PJ): Destinada à produção de empreendimentos sem a necessidade de financiamento direto à pessoa (…)

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?