Proteção a Bens de Empresa em Recuperação Não Pode Ser Indefinida, diz TJSP

recuperação judicial


A especialista em Direito Empresarial, Gisele Barioni de Macedo, contextualizou, abaixo, a notícia de que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) entendeu não ser possível conferir proteção indefinida aos bens da empresa em recuperação judicial, em detrimento dos credores, a qualquer custo e mesmo que se tratem de bens essenciais as suas atividades.

O que é o stay period na recuperação judicial?

O stay period é um procedimento estabelecido pela Lei 11.101/05 (regulatória da recuperação judicial, extrajudicial e a falência).

A Lei  nº. 14.112/2020 trouxe algumas alterações/complementações sobre esse assunto, especialmente quanto à limitação e garantias conferidas à empresa em recuperação judicial, visando equilibrar a proteção ao devedor com os direitos dos credores. 

Quando o juiz, após analisar diversos requisitos, acata o pedido de recuperação judicial, determina o stay period, ocorrendo o período de suspensão das ações e execuções em face da empresa em recuperação judicial. Em alguns casos, o juiz pode determinar de forma liminar o stay period. 

Desta forma, a princípio, pelo prazo de 180 dias (podendo ser prorrogável por mais 180 em situações específicas) todos os processos em face da empresa e, consequentemente, os atos de constrição do seu patrimônio devem ser suspendidos, conforme artigo 6º da lei 11.101/05.

Após esse período, em regra, as ações contra a recuperanda retomam seu curso. Essa suspensão provisória auxilia na retomada de “folego” da empresa (cashflow), pois não “sofrerá” nenhum tipo de penhora ou nenhum tipo de bloqueio judicial, período em que poderá estabelecer um “plano” para recuperação de suas atividades e regularização frente a credores.

Proteção aos bens da empresa em recuperação judicial deve durar quanto tempo?

Conforme decisão acimam a proteção aos bens da empresa, em recuperação judicial, NÃO pode ser INDEFINIDA, por tal ato gerar prejuízos aos credores. Ressalta a decisão que essa não proteção perpetua recai inclusive sobre bens essenciais as atividades da recuperanda.

Desta forma a 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em decisão que reformou o posicionamento do juízo de primeiro grau, entendeu que a execução movida por um banco credor contra uma indústria de plásticos em recuperação judicial deveria ter prosseguimento normal após o stay period.

Ressalte-se que nesse caso o credor possuía crédito extraconcursal, ou seja, não se sujeita ao plano de recuperação.

Desta feita, a credora requereu constrição de um bem  da recuperanda para garantir a satisfação do crédito.

Assim, mesmo o imóvel sendo considerado essencial para a atividade, por se tratar de sede da empresa recuperanda, o tribunal entendeu que a constrição deveria ser efetivada.

Com efeito, ficou estabelecido pela 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo que para a proteção aos bens na recuperação judicial existe a IMPOSIÇÃO legal de LIMITE TEMPORAL, tempo esse que empresa em recuperação, deverá se reorganizar e após ultrapassado tal tempo os credores poderão retomar as medidas para satisfação de seus créditos.

AUTORA
Gisele Barioni de Macedo. Advogada (OAB/PR nº. 57.136) e sócia do Barioni & Macedo Sociedade de Advogados. Pós-graduada em Direito e Processo Tributário pela Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst). Pós-graduada em Direito Processual Civil Contemporâneo pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/PR).

 

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?