Projeto de Lei Prevê Desconto para Micro e Pequenas Empresas

O Projeto de Lei Complementar 187/21 está em análise na Câmara dos Deputados e abrange a Micro e Pequena empresa.

projeto de lei micro empresa

Na notícia comentada de hoje, a acadêmica de Direito, Isabela Friesen Silva, contextualizará a possível alteração do Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (Lei nº. 123/2006), caso o projeto em trâmite seja aprovado na Câmara dos Deputados e Congresso Nacional, assim como sancionado pelo presidente da República.

O que é o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte?

É uma Lei Geral que regulamenta o tratamento favorecido dessas empresas, conforme disposição situada na Constituição da República Federativa do Brasil.

Tem como objetivo fomentar o desenvolvimento da Micro e da Pequena empresa, fazendo com que: ingresse no mercado, gere empregos e fortaleça a economia.

É importante salientar que esses benefícios se aplicam também ao agricultor familiar e ao produtor rural.

Como é feito o recolhimento dos impostos dessas empresas?

É um regime tributário simplificado, feito pelo Simples Nacional. A taxa é paga em uma única guia, anualmente. O valor do imposto é de 9,3% do faturamento da empresa.

Com esse Projeto de Lei Complementar, o que será afetado?

As Microempresas e Empresas de Pequeno Porte terão um abatimento progressivo no valor da tributação conforme o tempo de atividade da pessoa jurídica.

A empresa que tiver mais de dez anos ininterruptos de atividade, ganhará o abatimento de 10%. Com mais de vinte anos ininterruptos, o desconto será de 20% e 30% após trinta anos.

O autor do projeto é o deputado Diego Andrade (PSD-MG) que afirma que será um mecanismo que estimulará a atividade empresarial, premiando o empreendedor que conseguir manter sua empresa.

Atualmente a proposta seguirá para análise das Comissões e posteriormente será votada.


Ficou com alguma dúvida? Fale conosco: entre em contato.

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.
AUTORA
Isabela Friesen Silva. Acadêmica de Direito na Unicuritiba.

 

Compartilhar

Outras postagens

valuation

Liquidação de Quotas Sociais de Sociedades Empresárias: Critérios para a Adequada e Justa Valoração da Empresa (“valuation”).

Este artigo abordará os aspectos jurídicos, práticos e de “valuation” para a liquidação de quotas sociais em sociedades empresárias no Brasil, com base, principalmente, na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e nos critérios práticos recomendados para a valoração das empresas.

A liquidação de quotas sociais em sociedades empresárias é um processo complexo que envolve aspectos jurídicos, contábeis, financeiros, operacionais, entre outros critérios técnicos para o devido “valuation”.
Este artigo buscará aprofundar o entendimento sobre o tema, considerando, sobretudo, os parâmetros básicos a partir da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e os métodos específicos de levantamento do valor real de mercado das empresas.

reequilíbrio contratual

Contratos de Apoio à Produção da Caixa Econômica Federal e o Direito ao Reequilíbrio

A legislação, como se percebe, oferece algumas saídas em caso de eventos imprevisíveis que afetem as condições contratuais. Por um lado, é possível a resolução do contrato por onerosidade excessiva, mas se pode pleitear a modificação equitativa das cláusulas contratuais. O mercado imobiliário, após dois anos de severas dificuldades, dá sinais de que pode retomar seu crescimento. Por outro lado, a insegurança jurídica decorrente de situações que se alastram desde a pandemia é um repelente de potenciais clientes e investidores. A legislação brasileira oferece mecanismos suficientes para rever contratos firmados anteriormente e que tenham sido afetados pela alta dos insumos da construção civil. Por isso, a elaboração de uma estratégia jurídica sólida é fundamental para a manutenção dos investimentos e continuidade de empreendimentos.

Pacto Global da ONU

Barioni e Macedo e uma Nova Era Corporativa: O Compromisso Exemplar do Pacto Global da ONU

A decisão em aderir ao Pacto Global da ONU foi uma extensão natural do nosso compromisso de transformar positivamente a vida de pessoas e empresas, além de contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mais próspera e justa reconhecendo a importância da ética, da responsabilidade e da boa governança corporativa. Ao aderir ao Pacto Global, o escritório se compromete a promover os direitos humanos, o trabalho digno, a proteção ambiental e a transparência, valores fundamentais que estão alinhados com nossa missão de contribuir para o bem-estar social e o respeito aos direitos individuais e coletivos. Nossa missão e valores vão ao encontro com o Pacto Global da ONU, demonstrando que estamos alinhados com os padrões internacionais de sustentabilidade, responsabilidade social e corporativa. Todos da equipe Barioni e Macedo tem como objetivo a construção de um mundo mais justo, inclusivo e sustentável.

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?