Plano de Recuperação Judicial Alternativo

 

O que é recuperação judicial?

A recuperação judicial serve peara evitar que uma empresa que está enfrentando dificuldades financeiras não venha a encerrar sua atividade.

O empresário conseguirá ficar com o seu negócio de “portas abertas” enquanto negociará com seus credores com a supervisão da Justiça.

O sistema foi instituído no ano de 2005 com a Lei n.º 11.101 no Brasil, entretanto sofreu algumas modificações no ano de 2020.

Observe-se o artigo 47 da Lei:

Art. 47. A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica.”

No referido artigo, o Princípio da preservação da empresa está presente. Ele visa principalmente conservar a atividade econômica desenvolvida, zelar pelo interesse dos credores e, ainda, assegurar a manutenção dos empregos.

Quem pode pedir recuperação judicial?

As empresas privadas, desde que, estejam em funcionamento por mais de dois anos (art. 48 da Lei n.º 11.101/2005).

Insta salientar que, o empresário não pode ser falido, não pode ter sido condenado nos crimes falimentares e, por fim, não pode ter obtido a concessão de recuperação judicial nos últimos 5 anos.

As cooperativas de crédito, de plano de saúde e as empresas estatais não podem requerer recuperação judicial.

Qual a diferença entre recuperação judicial e falência?

Falência é quando uma empresa tem mais dívidas que patrimônio. Para o Direito é quando ocorre um processo judicial que visa o pagamento de todos os credores. Já a recuperação judicial, tem como objetivo recuperar a empresa. O negócio continuará em pleno funcionamento.

Como é feito o pedido?

O pedido de recuperação judicial é feito diretamente na justiça. O advogado irá protocolar uma petição inicial explicando os motivos da empresa estar em crise financeira, a lista de credores e o balanço financeiro dos últimos três anos, dentre outros documentos importantes, conforme estabelece o artigo 51 da Lei n.º 11.101/2005:

Art. 51. A petição inicial de recuperação judicial será instruída com: I – a exposição das causas concretas da situação patrimonial do devedor e das razões da crise econômico-financeira; II – as demonstrações contábeis relativas aos 3 (três) últimos exercícios sociais e as levantadas especialmente para instruir o pedido, confeccionadas com estrita observância da legislação societária aplicável e compostas obrigatoriamente de: a) balanço patrimonial; b) demonstração de resultados acumulados; c) demonstração do resultado desde o último exercício social; d) relatório gerencial de fluxo de caixa e de sua projeção; e) descrição das sociedades de grupo societário, de fato ou de direito; […]”

O juiz analisará o pedido e depois que ele for aceito a empresa requerente deverá apresentar, em sessenta dias, o plano de recuperação (art. 53 da Lei n.º 11.101/2005).

Após a apresentação do plano, todos os credores se reúnem para votar sobre a proposta. Caso seja aprovado e o empresário descumpra o acordo, os credores podem pedir sua falência (art. 61, § 1º da Lei n.º 11.101/2005).

O que é o plano de recuperação judicial alternativo?

Com a alteração legislativa no ano de 2020, abriu-se a possibilidade de os credores apresentarem um Plano Alternativo que não estará vinculado com o plano que foi originalmente proposto. Ele só será confeccionado caso o plano original não seja aprovado.

Com essa não aprovação, os credores elaboram o Plano alternativo e colocam para a votação no prazo de noventa dias. Assim, caso seja admitido, será colocado em prática.

O objetivo da mudança na lei foi de que as negociações fossem otimizadas e houvesse uma igualdade maior entre credor e empresário. Para que, deste modo, houvesse a conciliação de interesses.

Ficou com alguma dúvida? Consulte um advogado especialista em Direito Empresarial. O escritório Barioni & Macedo possui amplo conhecimento jurídico em Direito Empresarial.

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.


AUTORA

Isabela Friesen Silva. Acadêmica de Direito na Unicuritiba.

 

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?