o advogado como mediador de conflitos no Inventário extrajudicial

Neste artigo trataremos do inventário extrajudicial procedimento este realizado mediante escritura pública e não por meio de decisão judicial e que serve para apuração dos bens, direitos e dívidas do falecido e transferência deste para os herdeiros e cônjuge/companheiro sobrevivente. A Resolução 35 do Conselho Nacional de Justiça, que visou esclarecer dúvidas quanto à prática da Lei nº 11.441/07 que introduziu no sistema o inventário extrajudicial, por escritura pública, e hoje regulada no Art. 610, & 1º e 2º do Código de Processo Civil de 2015, veio para facilitar a vida do cidadão e desburocratizar o procedimento de inventário ao permitir a realização deste ato em cartório, de forma rápida, simples e segura, porém exigiram-se alguns requisitos, quais são eles: todos os herdeiros devem ser maiores e capazes; deve haver consenso entre os herdeiros quanto à partilha dos bens; o falecido não pode ter deixado testamento, exceto se este estiver caduco ou revogado e a escritura deve contar com a participação de um advogado (a) sendo este responsável por todo o conteúdo contido na escritura pública que observa se todos os herdeiros foram chamados ao ato e se a partilha dos bens está sendo feito de acordo com o que determina a lei.

Deste modo, se todos forem capazes e concordes o inventário e a partilha poderão ser feitos por escritura pública, a qual constituirá documento hábil para qualquer ato de registro, bem como para levantamento de importância depositada em instituições financeiras. O objetivo da lei é tornar o ato de inventário mais ágil e menos oneroso e, também, descongestionar o Poder Judiciário. É facultada aos interessados a opção pela via judicial ou extrajudicial bem como a escolha do tabelião de notas é de livre escolha dos herdeiros; neste caso o advogado (a) escolhido diante da situação do caso concreto orientará os herdeiros do melhor caminho a seguir, ou seja, se o inventário será realizado por via judicial ou por meio de cartório de notas. Assim, a realização do inventário por via administrativa que é o realizado em cartório é opcional, não impedindo a escolha da via judicial. Importante frisar que caso exista inventário judicial em andamento, os herdeiros, podem a qualquer tempo, desde que terminado o litígio, desistir da via judicial, e optar por finalizar o inventário via cartório.

As escrituras públicas de inventário e partilha não precisa de homologação judicial e são títulos hábeis para o registro civil e o registro imobiliário, para a transferência de bens e direitos, bem como para a promoção de todos os atos necessários à materialização das transferência de bens e levantamento de valores (DETRAN, Junta Comercial, Registro Civil de pessoas jurídicas, instituições financeiras, companhias telefônicas, etc.). Caso haja interesse de um herdeiro vender o imóvel do falecido deverá aguardar a finalização do inventário ou obter autorização judicial para a venda durante o inventário caso haja necessidade.

Os custos do inventário engloba os emolumentos do cartório, os honorários advocatícios e o pagamento do ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação). Cada Estado editará a lei pertinente ao ITCMD, com suas regras, casos de isenções. No estado do Paraná a alíquota do ITCMD é de 4% para qualquer transmissão. Quando feito em cartório este providencia a declaração do imposto que é feito de forma on line com preenchimento de dados dos bens, dos herdeiros, do de cujus, do cartório, do advogado e da disposição de partilha. O sistema emite uma guia para cada herdeiro e o pagamento do imposto deverá ocorrer antes da lavratura da escritura de inventário e partilha.

O tabelião do cartório não pode fazer indicação de advogado às partes que deverão comparecer em cartório já acompanhadas de profissional de sua confiança. Imperioso ressaltar a necessidade do advogado do início ao fim do procedimento visto que o profissional diante do conflito auxiliará os herdeiros a alcançar um acordo. Se o conflito persistir e for de consenso de todos poderá ser buscada a mediação extrajudicial como método de solução consensual de conflitos na qual o mediador (s) auxiliará as próprias partes, por meio do diálogo, a chegarem a um consenso, com ganho para todas, para então depois ser possível finalizar o inventário extrajudicial.

É importante mencionar que existe a possibilidade do inventário negativo ser realizado em cartório, por escritura pública, no caso do falecido não ter deixado bens a partilhar, ou sendo eventualmente provado que os bens já foram todos doados dentro das conformidades legais, de modo a resguardar os herdeiros de eventual cobrança de dívida do falecido.

Mister ressaltar que havendo união estável a meação do companheiro pode ser reconhecida na própria escritura do inventário e partilha, desde que todos os interessados estejam de acordo, mesmo que não haja reconhecimento judicial ou escritura pública de união estável.

A lei determina que o inventário e partilha deve ser iniciado dentro de 02 (dois) meses a contar do falecimento. A multa pelo atraso na abertura de inventário é prevista na lei estadual que regula o ITCMD. Além da multa outras conseqüências podem advir da não realização do inventário como não poder vender o imóvel e os conflitos familiares que podem advir diante da dúvida de quem tem direito a determinado bem.

Após toda a documentação entregue estar correta, o advogado (a) contratado ter conferido o conteúdo da escritura pública por ser fiscal da lei, e recolhido o imposto ITCMD, a escritura pública já pode ser assinada pelos herdeiros em dias distintos caso haja incompatibilidade de horários. Por fim, após a assinatura pelos herdeiros e advogado, é fornecida a escritura para as devidas averbações junto ao Cartório de Registro de Imóveis, Detran ou instituição financeira.

Disponível em: jusbrasil

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?