Entenda o que a Lei de desburocratização muda no dia-a-dia empresarial

Com a advento da  publicação da Lei nº 13.726/2018, que também é conhecida como a lei da desburocratização, foi concebida a lei com o intuito de facilitar a relação dos cidadãos, sendo eles representantes de uma pessoa jurídica ou como pessoa física, com as instituições públicas, sendo pertencentes a União, Estados, Distrito Federal e dos Municípios  – busca otimizar o tempo de espera e eliminar parte da  desnecessária burocracia, por final almejando timidamente amenizar a dificuldade e lentidão que nos proporciona o serviço público quando por necessidade ou formalidade legal, recorremos a estes.

basicamente, o objetivo é simplificar atos bem como procedimentos administrativos realizados nos órgãos públicos, eliminando a necessidade de  formalidades ou exigências que deixavam a solicitação de serviços além de lentas, burocráticas.

Quanto aos atos que sofrem alterações, tem maior destaque:

 1. A Não obrigatoriedade do reconhecimento de firma, devendo o funcionário agente administrativo, confrontar e comparar a assinatura com aquela constante do documento de identidade ou documento equivalente com foto do signatário, lavrar sua autenticidade no próprio documento.

2. Cópia de documento autenticada, cabendo ao funcionário do órgão administrativo, mediante a comparação entre a original com a cópia, atestar a autenticidade.

3. Juntada de documento pessoal do usuário, que poderá ser substituído por cópia autenticada pelo próprio agente administrativo.

4. A certidão de nascimento, que poderá ser substituída pela Identidade, pelo título de eleitor, ou identidade expedida por conselho regional de fiscalização profissional, a carteira de trabalho, o certificado de prestação ou de isenção do serviço militar, passaporte ou identidade funcional expedida por órgão público.

5. A Apresentação de título de eleitor, exceto para votar ou para registrar candidatura.

Assim, pessoa jurídica ou física que formula um pedido perante um órgão público, será dispensada do reconhecimento de firma da assinatura de um dos sócios, que reduzirá o tempo e custos cartoriais.

O Artigo 6º autoriza a comunicação entre a administração pública e a empesa/cidadão, por qualquer meio, inclusive comunicação verbal, direta ou telefônica, e e-mail, concretizando o objetivo de utilizar-se todos os meios disponíveis afim de tornar o processo menos cansativo, e excessivamente burocrático.

obstante a isso, não esquecendo que essa ausência das formalidades se referem às relações dos órgãos públicos administrativos com a pessoa jurídica/física. , na relação particular sem intervenção da administração pública, como por exemplo um contrato de compra e venda,ou qualquer outro que se faça sem a necessidade da expressa autorização do poder público,  as partes do negócio poderão continuar exigindo o reconhecimento de firma e demais formalidades prevista no Código Civil vigente e que garantem a veracidade da negociação bem como as obrigações ali adquiridas.

todavia seja com um órgão público ou em uma relação contratual particular, esteja sempre ciente dos riscos que poderá correr com a ausência dos requisitos formais que você como parte da relação deixará ou não de realizar.

Escrito por: João Mateus das Neves Muniz – acadêmico de direito, estagiário.
Lei na íntegra: planalto.gov.br

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?