Desapropriação: Direitos e Principais Critérios de Cálculo Indenizatório

desapropriação

A Desapropriação, conforme já mencionado em artigo anterior, é o instrumento pelo qual o Estado pode transformar um bem particular em um bem público.

Em linhas gerais, a desapropriação que pode ser direta, indireta, confiscatória e sancionatória, diferençadas, sobretudo, pelos motivos autorizadores, com repercussões no que se refere ao sujeito competente para promovê-las, procedimentos, valor da indenização e, também, no objeto de cada uma delas, se consubstancia na prevalência do interesse público sobre o particular e em atendimento à função social do bem em discussão.

Neste artigo, não iremos nos ater às modalidades do referido instituto, mas sim ao próprio direito incutido na Constituição Federal de 1988 – direito de propriedade – bem como às diretrizes e critérios de cálculo para uma justa e proporcional indenização dentro do procedimento desapropriatório.
Nada obstante, apenas com a finalidade de inserir o público leitor ao contexto daquilo que iremos tratar daqui por diante, passa-se, brevemente, ao destaque das principais características das modalidades de desapropriação, vez que o tema já foi bem minudenciado em artigo pretérito acima.

Síntese Sobre as Modalidades de Desapropriação

A desapropriação direta, prevista no artigo 5º do Decreto-Lei nº 3.365/41 que é a mais praticada em qualquer uma das esferas federativas, ocorre quando há alguma situação emergencial mediante prévia declaração de necessidade pública, utilidade pública ou interesse social e impõe ao proprietário a perda de um bem, substituindo-o por justa e prévia indenização em dinheiro.

Lado outro, a desapropriação indireta surge quando o poder público se apropria do bem particular sem observar os requisitos da declaração de utilidade pública e da indenização prévia. Neste caso, cabe ao proprietário requerer judicialmente o seu direito de indenização, pois tem-se a prática de ato ilícito.

Noutro giro, a desapropriação confiscatória ou compulsória é a expropriação de bem utilizado para o cultivo de plantas psicotrópicas e não autorizadas – art. 243 da Constituição Federal. Nessa hipótese não há qualquer tipo de indenização ao proprietário do bem, o qual pode, inclusive, sofrer sanções decorrentes de seu ato.

Por fim, a desapropriação sancionatória ocorre quando o proprietário age com desídia em relação ao seu bem, não dando nenhuma finalidade útil a ele, ocasião em que não há o cumprimento de sua função social. Nesses casos, o poder público toma para si a propriedade para fins de reforma agrária. O pagamento na desapropriação sancionatória é feito, em regra, através de títulos da dívida pública.

Direito de Propriedade e Justa Indenização

Feitas essas considerações, registre-se que a desapropriação, independentemente da modalidade, tem como seu maior efeito o sacrifício de um direito constitucional, o da propriedade, o qual é o direito real mais completo, pois confere ao seu titular, nos moldes do artigo 1.228 do Código Civil os poderes de usar, gozar e dispor da coisa, assim como de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.

Não por outro motivo, é também na própria Constituição que tal instituto encontra fundamento jurídico e suas fronteiras balizadoras, conforme se depreende dos arts. 5º, caput e incisos XI, XXII, XXIII e XXIV; 153, § 4º, I; 170, II, III, VI, VII; 182; 184; 185; 186; 188;189 e 191.

Em seus contornos gerais, a desapropriação pode ser definida como um procedimento que culmina na extinção do direito de alguém sobre um bem e em sua eventual incorporação, com caráter originário, ao patrimônio público, mediante o pagamento de indenização, salvo exceções não indenizáveis, como no caso da desapropriação confiscatória.

O direito à indenização por desapropriação é uma garantia fundamental que tem como intuito proteger a propriedade privada, ainda que tenha prevalecido o interesse público. Em outras palavras, por mais que tenha triunfado o interesse público – aquele que deu legitimidade ao Estado para se apropriar de um bem de um particular – não se descuida de proteger a propriedade privada – o bem do particular – quando se prevê o direito à indenização por desapropriação.

Via de regra, a indenização será prévia, ou seja, primeiro o poder público deve iniciar um procedimento para a desapropriação e indenizar o proprietário, para só depois tomar posse do bem. Porém, pode ocorrer a desapropriação indireta, em que o proprietário ao tomar conhecimento da posse do bem pelo Estado deverá ingressar com uma ação judicial para obter a sua indenização, a qual mesmo não sendo prévia deverá ser justa.

A justeza da indenização, portanto, decorrerá do consentimento do proprietário quanto ao valor ofertado pelo ente expropriante que no caso de discordância, assentar-se-á no provimento jurisdicional que fixará o valor indenizatório, a ser devidamente fundamentado no arcabouço de provas e argumentos levados ao conhecimento do juízo, em observância aos princípios constitucionais do devido processo legal, contraditório e ampla defesa.

Considerando o direito à propriedade como direito fundamental resguardado na Constituição Federal, é necessário um exame rigoroso do processo expropriatório, até porque, “a desapropriação constitui um duro golpe no direito de propriedade, atingindo-o em seu ponto nuclear.[1]

Malgrado a relevância de se observar o procedimento para a consumação do ato expropriatório, especialmente nos casos de utilidade pública, não raras vezes o poder público atua de maneira equivocada, infringindo princípios e garantias fundamentais atinentes à desapropriação, ao devido processo legal e violando o direito à propriedade, realizam verdadeiro apossamento administrativo, transferindo de modo compulsório a propriedade do particular para o poder público sem o pagamento da contraprestação devida na forma de indenização.[2]

Nestas hipóteses, a ação de indenização por desapropriação é o recurso disponível para que o proprietário do bem expropriado possa receber o valor correspondente a esse bem. A referida ação tem como única finalidade buscar o ressarcimento, ou seja, a indenização pelo bem expropriado, devendo o Estado pagar a mesma indenização que pagaria caso tivesse iniciado a apropriação direta e regular.

Existe, ainda, um prazo para que o proprietário possa exercer o seu direito e reclamar pela indenização. Após superada a Súmula do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que previa um prazo de 20 anos, o STJ passou a entender que o prazo previsto para a ação de usucapião deveria ser aplicado por analogia às ações de desapropriação indireta. Nesse sentido, atualmente, o prazo para requerer a indenização por desapropriação segue o previsto no artigo 1.238 do Código Civil – parágrafo único, qual seja, 10 anos. Esse prazo poderá ser de 15 anos quando comprovado que não houve a utilização do bem pelo poder público.

Importante, ainda, ressaltar que: a pretensão reparatória decorrente de esvaziamento do conteúdo econômico da propriedade, imposta por  limitações administrativas apenas, prescreve em cinco anos, nos termos do art. 10, parágrafo único, do Decreto-Lei n. 3.365/1941, pois os danos eventualmente causados pela limitação devem ser objeto de ação de direito pessoal, cujo prazo prescricional é de cinco anos, e não de direito real, que seria o caso da desapropriação indireta. Portanto, para estabelecer a diferença entre limitação administrativa e desapropriação indireta: nesta, há transferência da propriedade individual para o domínio do expropriante (apossamento do imóvel), com integral indenização; naquela, há apenas restrição ao uso da propriedade imposta, sem qualquer indenização.  (AgInt no Agravo em Resp. Nº 1.041.533 – SP (2017/0006287-0)

Critérios de Cálculo da Indenização

No que tange particularmente aos critérios de cálculo da indenização por desapropriação, deve-se ponderar a premissa maior deste ato, qual seja, a indenização deve ser sempre justa, isto é, deve refletir o ‘valor real’ do bem em análise incluindo as benfeitorias nele edificadas, mas sem desconsiderar eventuais prejuízos que o proprietário tenha sofrido com a expropriação, seu recebimento deve deixar seu beneficiário incólume, livre de qualquer perda ou dano.

Nessa senda, o valor real do bem deverá ser indenizado e possíveis prejuízos também, a exemplo, nos casos em que o particular explore economicamente atividade no perímetro do bem tomado pelo poder público, é hipótese nítida de o proprietário pleitear por lucros cessantes em relação ao que ele deixou de ganhar por não mais poder exercer sua atividade lucrativa.

Para ser justa, nos moldes constitucionais, a indenização abrange, mas, não se restringe, ao preço que corresponde ao valor real do bem, pois deverão ser avaliados a incidência de danos emergentes e lucros cessantes, bem como o pagamento de juros compensatórios e moratórios, correção monetária, despesas judiciais e honorários advocatícios, conforme o caso.

Em algumas situações pontuais, a indenização pode abranger despesas com a mudança, desinstalação e instalação de maquinário, e, com maior expressão econômica, o que se denomina fundo de comércio, que é conjunto de bens, materiais e imateriais, que contribuem para o funcionamento e lucratividade do particular, como sua clientela, nome, marca e ponto comercial.

Correção Monetária e Juros (Compensatórios e Moratórios)

Para mais, verifica-se dos elementos que compõe a justa indenização, a teor do que estabelece o § 2º do art. 26 do DL 3.365/1941, que incidirá correção monetária sobre a parcela principal do valor indenizatório, desde que decorrido prazo superior a um ano da data do laudo de avaliação. A jurisprudência adota o entendimento de que a correção incidirá a partir da data de elaboração do laudo, conforme se depreende da Súmula 67 do STJ[3] e da Súmula 561 do STF[4].

No que concerne à incidência de juros, a cumulatividade dos juros compensatórios e moratórios é admitida pela jurisprudência[5].

Os juros compensatórios serão cabíveis quando houver apossamento antecipado do ente público no bem a ser expropriado. Isso ocorre quando o ente requer a posse do bem sem observância ao escorreito procedimento, muitas vezes justificando seu ato na necessidade de dar início a possíveis obras no terreno expropriado. Nestes casos, há o imediato afastamento do proprietário do imóvel, cabendo ao ente público depositar de forma antecipada o valor do bem, conforme avaliação, podendo o proprietário sacar até 80% deste valor.

A incidência dos juros compensatórios servirá, de tal sorte, para remunerar o proprietário sobre a perda de uma possível renda com a utilização do terreno em decorrência de frutos naturais ou civis. Por outro ângulo, se o imóvel não for passível de gerar renda ao proprietário, não haverá a incidência dos juros compensatórios no cômputo indenizatório na posse antecipada.

Sendo constatado o direito ao recebimento dos juros compensatórios, conforme entendimento do STF, incidirá a aplicação do percentual de 6% ao ano e serão pagos sobre a diferença entre o valor da indenização fixada na sentença e o valor levantado pelo proprietário ante o depósito antecipado de 80% pelo ente público.

Já os juros moratórios também possuem aptidão de remunerar o proprietário, mas o fato gerador de sua incidência é quando houver atraso no pagamento da indenização. Os juros moratórios são devidos no percentual de 6% ao ano e incidirão sobre a parcela principal do valor indenizatório a partir de 1º de janeiro do exercício seguinte, que é o momento em que a Fazenda Pública teria disponibilidade de numerário para honrar o pagamento da indenização, por força do art. 100 da Constituição Federal.

No que toca aos ônus de sucumbência, as custas serão pagas pelo expropriante, se o expropriado aceitar o valor da oferta, contudo, caso não aceita, as custas serão pagas pelo vencido. Quanto aos honorários advocatícios, serão devidos caso o valor da condenação supere o valor incialmente ofertado em percentual que poderá variar entre 0,5% a 5%, de acordo com estabelecido na Súmula 617 do STF[6], limitando tais honorários ao patamar de R$ 151.000,00 (cento e cinquenta e um mil reais).[7]

Conclusão

Em conclusão, viu-se que no exercício de suas atribuições, o Estado acaba por intervir na propriedade de particular, transferindo compulsoriamente um determinado bem para seu patrimônio por decorrência de necessidade, utilidade pública ou interesse social.

Em que pese a Constituição preveja a garantia de indenização a ser paga ao expropriado, no objetivo de recompor plenamente a perda sofrida, que deverá se dar com o pagamento de uma quantia justa, prévia, e, como regra, em dinheiro, nem sempre é dessa forma que acontece, quer seja pelo apossamento antecipado do bem pelo ente expropriante ou pela indenização antecipada mas não justa, o que impulsiona, em qualquer caso, que o proprietário busque a guarida jurisdicional para sanar a falta de justeza no pagamento de sua indenização.

Note-se que o procedimento de desapropriação é ato complexo, especialmente no que tange ao cálculo da indenização, que por ser formada por diversos elementos e critérios devem ser apurados de maneira minudenciada e cautelosa, preferencialmente sob a ótica de um especialista no tema, de cuja análise poderá melhor conduzir o procedimento bem como perquirir pelo valor adequado a ser indenizado.

Ficou com alguma dúvida? Consulte um advogado especialista (clique em ‘fale conosco‘ ou converse conosco via Whatsapp).

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.

AUTORA

Gisele Schereder. Advogada (OAB/PR nº. 100.186). Pós-graduada em Direito Constitucional pela AbdConst (Academia Brasileira de Direito Constitucional). Pós-graduada em Processo Civil pela ESA (Escola Superior da Advocacia – OAB Nacional).

Referências

[1] CARVALHO FILHO, José dos Santos. A desapropriação e o princípio da proporcionalidade. Interesse Público – IP, Belo Horizonte, ano 11, nº. 53, 2009, p. 4.

[2] Disponível em: https://esa.oabgo.org.br/esa/artigos-esa/direito-constitucional/a-indenizacao-na-desapropriacao-indireta-a-luz-dos-preceitos-constitucionais/ Acesso em: 30/05/2023.

[3] Sum 67 STJ. Na desapropriação, cabe atualização monetária, ainda que mais de uma vez, independente do decurso de prazo superior a um ano entre o cálculo e o efetivo pagamento da indenização”.

[4] Sum 561 STF. Em desapropriação, é devida a correção monetária até a data do efetivo pagamento da indenização, devendo proceder-se à atualização do cálculo, ainda que por mais de uma vez.

[5] Sum 12 do STJ. Em desapropriação são cumuláveis os juros moratórios e compensatórios.

[6] Sum. 617 STF. A base de cálculo dos honorários de advogado em desapropriação é a diferença entre a oferta e a indenização, corrigidas ambas monetariamente.

[7] Disponível em: https://enciclopediajuridica.pucsp.br/verbete/113/edicao-2/desapropriacao:-aspectos-gerais. Acesso em: 30/05/2023.

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?