Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Este artigo examina a aplicação dos juros compensatórios e de mora em situações de limitação administrativa de propriedade, com base, principalmente, na jurisprudência brasileira. O presente artigo aborda duas questões distintas: (i) a determinação da taxa de juros compensatórios, e (ii) o termo inicial de incidência dos juros de mora.

Por meio de uma análise detalhada de casos específicos e da interpretação de dispositivos legais e sumulares, busca-se compreender, resumidamente, os fundamentos jurídicos que embasam tais decisões judiciais.

 

Aplicação dos Juros Compensatórios em Casos de Limitação Administrativa

 

O princípio da ordem pública, que visa garantir a justiça e a equidade nas relações jurídicas, tem sido invocado como fundamento para o reconhecimento ex officio dos critérios de fixação dos juros nas ações judiciais.

De acordo com a jurisprudência consolidada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), a aplicação de correção monetária e juros de mora é considerada uma questão de ordem pública, podendo ser conhecida, portanto, de ofício pelos julgadores, mesmo sem reinvindicação das partes e sem que tenha sido exaurida ou prequestionada a questão nas instâncias inferiores ou durante a instrução processual.

Neste contexto, a Súmula 618 do Supremo Tribunal Federal (STF) estabelece a taxa de juros compensatórios em 12% ao ano para casos de desapropriação de bens imóveis, direta ou indireta.

Isto é, a jurisprudência brasileira tem reconhecido a aplicabilidade dos juros compensatórios em situações de limitação administrativa, comparativamente à desapropriação indireta, como forma de compensar os prejuízos causados aos proprietários pela perda antecipada do uso e gozo econômico do bem, principalmente quando o esvaziamento do conteúdo financeiro do imóvel for total ou quase total.

Mesmo sem configurar desapropriação direta, a imposição de restrições significativas sobre a propriedade privada pode justificar a aplicação analógica dos princípios estabelecidos na Súmula 618 do STF, elevando os juros, nestes casos, para 12% ao ano, ao invés de somente 6%.

Diversos julgados Brasil afora têm corroborado essa interpretação, reforçando a necessidade de compensação financeira adequada aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, lembrando que a natureza dos tidos “juros compensatórios” ou “juros remuneratórios” – sinônimos – servem justamente para compensar o prejuízo material sofrido e sua ação no tempo.

 

Determinação do Termo Inicial de Incidência dos Juros Compensatórios e de Mora

 

A legislação brasileira e a jurisprudência têm abordado a questão do termo inicial de incidência dos juros de mora em casos de limitação administrativa. De acordo com a Súmula 69 do STJ, os juros compensatórios são devidos desde a antecipada imissão na posse em desapropriações diretas e a partir da efetiva ocupação do imóvel em desapropriações indiretas. Essa orientação jurisprudencial tem sido aplicada também em situações de limitação administrativa, visando garantir uma reparação adequada aos proprietários afetados.

Já quanto aos juros de mora, a análise de casos específicos demonstra que o termo inicial de incidência de pode variar dependendo das circunstâncias do caso, especialmente da data em que ocorreu a imposição das limitações administrativas sobre os imóveis.

A jurisprudência tem reconhecido a necessidade de aplicação dos juros moratórios desde o momento em que a imposição administrativa ocorreu, visando assegurar a plena reparação dos prejuízos suportados pelos proprietários.

 

 

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas, notadamente sob o viés da ampla e devidamente atualizada compensação financeira daquele que sofreu o prejuízo material e a perda parcial ou total da propriedade imobiliária.

Ficou com alguma dúvida? Consulte nossa equipe (clique em ‘fale conosco‘ ou converse conosco via WhatsApp).

Clique aqui e leia mais artigos escritos por nossa equipe.

Autor

Antonio Macedo Neto (OAB/PR 55.082). Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba (2009). Pós-graduado em Direito Processual Civil pela PUC-PR (2011). Profissional atuante há mais de 15 anos, especialmente nas áreas de Direito Imobiliário e Societário.

 

 

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Sistema de interface com cliente

Sistema de interface com o cliente: comunicação assertiva, ágil e eficaz

Comunicação! O tema é apaixonante na mesma medida que desafiador!

Vivemos na era da informação, onde a comunicação é onipresente. Redes sociais, e-mails, videochamadas, mensagens de texto. Todavia, a falta de comunicação eficaz pode levar a mal-entendidos, conflitos e até mesmo a perda de amigos ou clientes. Portanto, é fundamental compreender a importância de aprimorar essa habilidade.

Imagine quantas situações equivocadas poderíamos ter evitado no nosso dia a dia se soubéssemos utilizar de forma eficiente a nossa comunicação, seja ela verbal ou escrita?

No mundo dos negócios e aqui daremos um enfoque especial nos escritórios de advocacia, é imprescindível que tenhamos uma boa comunicação não somente entre a equipe interna do escritório, nossos fornecedores internos, como também com nossos clientes externos.

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?