“2019 é o ano do setor” Mudança no crédito imobiliário atrairá e beneficiará compradores em 2019

As medidas aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional para financiamentos de imóveis trazem mudanças importantes para todo o setor: para o banco que vai emprestar o dinheiro, passando pelas construtoras e incorporadoras, até chegar no consumidor final.

De um modo geral, a minirreforma tem como objetivo estimular a retomada de negócios no mercado imobiliário e ativar a construção civil, um dos carros chefe para o aquecimento da economia e geração de empregos. Além disso, espera-se que haja um aumento da concorrência entre os agentes financeiros tornando as condições mais acessíveis ao comprador de uma casa ou apartamento.

Na prática, porém, as novas regras começam a valer a partir de janeiro do ano que vem.


Mais livre: 
É com o dinheiro captado na caderneta de poupança que os agentes financeiros concedem financiamentos para a compra da casa própria. A nova legislação mantém a obrigatoriedade de destinar 65% desses recursos para financiamento imobiliário, mas traz uma alteração significativa. Desse total, 80% que deveriam ser canalizados para empréstimos no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) vão poder ser livremente empregados em outras linhas de crédito para imóveis, como o Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), ou financiamentos populares como os do “Minha Casa, Minha Vida”, por exemplo.

Dentro do SFH, as operações são feitas em condições mais facilitadas ao comprador do imóvel, com prazos mais longos, que vão de 10 a 35 anos, mas na média ficam em torno de 20 anos. Os juros são relativamente baixos e nos grandes bancos, atualmente, são inferiores a 9% ano. O limite para os juros de 12% ano, válido hoje, deixa de existir a partir de janeiro. Mesmo sem um teto, o Banco Central não espera que as taxas venham a ser realinhadas para cima em 2019.

Pelo SFH, é possível usar o Fundo de Garantia para pagamento da moradia, mas o seu valor não pode ultrapassar um determinado limite. O CMN ampliou esse limite de R$ 950 mil, em vigor atualmente para a compra de imóveis nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Distrito Federal, para R$ 1,5 milhão. Esse novo teto, mais elástico, valerá para todos os Estados do País.

Até que as novas regras aprovadas pelo CMN entrem em vigor, no ano que vem, continuam valendo as normas que preveem o uso do dinheiro do FGTS como entrada na compra ou na amortização de financiamento de imóvel no valor de até R$ 950 mil, nos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e no Distrito Federal.  O valor máximo de imóvel para os demais Estados do País é R$ 800 mil.

Dinheiro do FGTS

O uso dos recursos do FGTS para a compra de imóvel será permitido apenas para quem tem no mínimo três anos de trabalho e recolhimentos ao fundo. Outras condições são que não tenha ainda nenhum financiamento pelo SFH nem seja proprietário de imóvel.

O saldo existente na conta vinculada do fundo não pode ser usado para outras finalidades, como na reforma ou na ampliação nem na compra de material de construção para benfeitoria no imóvel.

A expectativa é que o aumento do teto de valor do imóvel para o uso do FGTS incentive os interessados a fechar a compra dando como entrada os recursos existentes na conta vinculada do fundo.

Do ponto de vista do candidato à compra de imóvel, a ampliação do teto de valor para o uso do FGTS não tende a facilitar o acesso à casa própria, já que a grande demanda está concentrada em unidades de menor valor, em torno de R$ 500 mil.

Com efeito, para tentar estimular a concessão de crédito habitacional a famílias de renda mais baixa, as novas regras da CMN concedem facilidades ao banco para enquadramento de destinação dos recursos da poupança ao crédito imobiliário. É que os financiamentos populares, na compra de imóveis com preço entre R$ 250 e R$ 500 mil, terão um peso maior (1,2) na contabilização de emprego dos recursos. A expectativa é que isso estimule o interesse de agentes financeiros na concessão de crédito para a aquisição de unidades com esse perfil.

Também vai mudar o sistema de correção das prestações, que hoje é baseado na variação da Taxa Referencial, a TR. Essa taxa é uma média dos juros dos títulos oferecidos pelos bancos, o Certificado de Depósito Bancário (CDB). A partir de janeiro do ano que vem, em contratos em que não será usado dinheiro do FGTS para pagamento da dívida habitacional, poderão ser empregados índices de inflação como o IPC-A ou o IGP-M para atualização da prestação e saldo devedor.

Na prática, as condições do SFH tendem a ficar mais próximas das do Sistema Financeiro Imobiliário, em que já não há limite de 12% ao ano para os juros, e tanto o índice de reajuste da prestação e as condições de amortização da dívida são livremente acertados entre as partes.

disponível em: economia.estadao

Compartilhar

Outras postagens

ESG na construção civil

ESG na Construção Civil: Integrando Sustentabilidade e Responsabilidade em Contratos e Práticas Empresariais

A interseção entre as práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) e a indústria da construção civil tem se tornado cada vez mais relevante e crucial para aquelas construtoras e incorporadoras que desejam acompanhar as tendências do mercado.

Neste contexto, é fundamental compreender os princípios essenciais do ESG e como eles podem ser implementados de forma eficaz dentro deste setor. Esta abordagem não apenas responde às demandas crescentes por sustentabilidade e responsabilidade social, mas também contribui para o sucesso a longo prazo das empresas e incorporadoras na construção civil.

atendimento de excelência - habilidades de trabalho em equipe

Desenvolvendo Equipes de Excelência: A Sintonia entre Soft Skills e Hard Skills na Governança de Dados

No palco dinâmico do mundo corporativo, a busca por talentos frequentemente se assemelha à montagem de um time de elite.Como olheiros em busca de um craque, recrutadores muitas vezes se deixam deslumbrar pela habilidade técnica reluzente de um candidato, negligenciando às vezes aspectos fundamentais para o sucesso da equipe. É como contratar um atleta muito habilidoso, mas individualista, cujo o impacto vai muito além dos seus feitos dentro do campo.
No entanto, assim como no universo esportivo, onde a falta de habilidades comportamentais pode minar a coesão e o desempenho da equipe,

sistema BIM

Construção Civil: Os Impactos Jurídicos do Sistema BIM

A ferramenta “Building Information Modeling” (BIM), modelagem de Informação da Construção, revolucionou a forma como os projetos de construção são concebidos, programados, gerenciados e executados, pois disponibiliza, através da tecnologia, características físicas e funcionais de uma construção. Antes de toda a “vida” de uma construção no formato real é possível vislumbrar, com exata precisão, previamente, no formato virtual. Por proporcionar maior precisão, integração e direcionamento, resulta em redução de custos e de tempo de obra, além de contribuir para a descarbonização do setor.
No entanto, além de suas implicações técnicas, o BIM também apresenta importantes repercussões jurídicas que precisam ser consideradas. Este artigo explorará alguns dos impactos jurídicos do sistema BIM na indústria da construção civil.

Aplicação dos Juros Compensatórios e de Mora em Casos de Limitação Administrativa

Diante da análise da jurisprudência brasileira, fica evidente a importância da aplicação adequada dos juros compensatórios e de mora em casos de limitação administrativa de propriedade.

A interpretação dos tribunais, aliada aos princípios constitucionais e legais, tem contribuído para garantir uma justa compensação aos proprietários afetados por medidas restritivas impostas pelo Estado, notadamente daquelas que esvaziam na totalidade a possibilidade de uso, gozo e fruição da posse e propriedade pelo particular.

Não menos importante, fundamental que os julgadores considerem esses aspectos ao decidir sobre questões relacionadas à desapropriação e limitação administrativa, visando assegurar a efetiva proteção dos direitos de propriedade e o equilíbrio nas relações jurídicas,

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Barioni e Macedo Advogados
Seja bem-vindo(a)!
Como podemos auxiliá-lo(a)?